Home > Revista > Velas de ignição

O trabalho das velas de ignição    

 



As velas do motor geram a centelha que dão a partida no carro.



06/06/2018 - Texto: Autoline | Foto: Divulgação

Jaguar controlado pelo relógio

As velas de ignição devem ser verificadas a cada 10.000 km.
   
A vela de ignição tem uma função simples, mas essencial para o funcionamento do motor: ela fornece a centelha – ou faísca elétrica – responsável para dar a partida no carro. Mas a vela automotiva deve estar em perfeitas condições para atuar na queima correta do combustível dentro da câmera de combustão. 

Cada veículo tem suas especificações, que exigem tipos diferentes de velas de ignição. Elas trabalham com a alta voltagem gerada pelas bobinas e a centelha produzida precisa ter a intensidade e a duração ideais para o motor, dando início à explosão que impulsiona os pistões. 

O revestimento de cerâmica suporta altas temperaturas e pressões, mas se desgasta com o tempo. Se apresentar coloração marrom, cinza ou amarelada, a vela de ignição está no fim de sua vida útil. Por isso, o jogo de velas deve ser verificado a cada 10.000 km e substituído obedecendo o plano de manutenção do automóvel determinado no manual do proprietário. 

Velas danificadas e com as pontas carbonizadas também causam o funcionamento irregular do motor. Quando isso acontece, o carro começa a engasgar e a potência diminui, principalmente em baixas rotações. Esses problemas farão o consumo de combustível piorar consideravelmente e o nível de emissões de poluentes aumentará. 

Os cabos que levam a corrente elétrica às velas de ignição também devem ser inspecionados e trocados. Uma vez desgastados, eles passam a oferecer mais resistência à passagem da corrente, prejudicando a alimentação das velas e o homogêneo funcionamento do motor.