Home > Revista > A expansão da Ford na China

A expansão da Ford na China 

 



Marca planeja lançar 50 carros no país asiático até 2025. 

 



14/01/2018 - Texto: Autoline | Foto: Divulgação

Jaguar controlado pelo relógio

Ford vai aumentar capacidade produtiva na China para desenvolver novos produtos.

Tal como o Brasil, visto como país estratégico para as montadoras, a China também é considerada um oásis para o aumento de vendas globais de automóveis. Aproveitando a boa fase vivida no mercado asiático, a Ford anunciou expansão na China, com o lançamento de 50 carros novos até 2025 -- entre eles, oito SUVs e 15 veículos elétricos das marcas Ford e Lincoln. 


Além disso, ela pretende desenvolver uma linha de veículos elétricos em parceria com a empresa Zotye. E, entre tantos projetos inéditos, nada impede que alguns acabem replicando no mercado brasileiro.


Segundo o anúncio, até 2019, todos os veículos novos da Ford no mercado chinês estarão conectados à internet. Para isso, a fabricante está ampliando a capacidade de engenharia, pesquisa e desenvolvimento naquele país. 


“A China é o maior mercado de automóveis do mundo e o pioneiro do crescimento de veículos elétricos e do movimento de mobilidade”, afirma Jim Hackett, presidente mundial da Ford. “Temos a chance de expandir nossa presença e oferecer ainda mais para os consumidores e parceiros.”

 

A expansão no mercado chinês será focada em três áreas: veículos ainda mais inteligentes e conectados, relação mais próxima com os clientes chineses e estrutura de negócios simplificada. 


Para reforçar a capacidade local de desenvolvimento de produtos, a Ford inaugurou o Centro de Testes de Nanjing, com 80 tipos diferentes de superfícies de rodagem, uma pista de 3 km e instalações sofisticadas de testes de emissões. A marca também inaugurou duas lojas de serviços rápidos Quick Lane, com plano de chegar a 100 unidades neste ano.

 

“Para responder ao ritmo rápido de mudanças, estamos oferecendo maior conectividade e trabalhando para melhorar e simplificar a mobilidade”, diz Hackett. “Isso faz parte do compromisso de entregar veículos inteligentes e ajudar as pessoas a se mover com mais segurança e confiança.”