Home > Revista > 100 anos de picapes Chevrolet

100 anos de picapes Chevrolet  

 



No ano em que a marca celebra um século da sua primeira picape, lembre modelos que fizeram história. 

 



05/02/2018 - Texto: Autoline | Foto: Divulgação

Jaguar controlado pelo relógio


Projetado para ser o “sucessor das carruagens”, o automóvel logo ganhou outras atribuições, por conta de sua praticidade. E uma das primeiras foi o transporte de cargas, por conta das vantagens que o veículo motorizado apresentava sobre o de tração animal. A Chevrolet – que foi fundada em 1911 – logo detectou o potencial desse modelo, e apresentou a One-Ton, sua primeira picape produzida em série em 1918. 


Tratava-se, basicamente, de uma adaptação dos modelos vendidos na época: a cabine era aberta (sem teto ou portas) e atrás havia apenas uma base que permitia aos compradores adaptarem a carroceria mais adequada às suas necessidades. O motor era um 4-cilindros com o qual a picape podia alcançar 40 km/h, velocidade mais do que suficiente para aqueles dias.


Para quem estranhou o conceito de “picape com cabine aberta”, é bom saber que foi apenas em 1929 que essa história mudou na Chevrolet, com o lançamento da Series AC International. Além da cabine fechada – o que representou um enorme avanço em termos de conforto e de segurança para os ocupantes – , a nova picape se destacava pelo moderno motor de seis cilindros em linha. A publicidade da época, inclusive, anunciava a nova picape como “Seis (cilindros) pelo preço de quatro”. 


Em 1938, chega ao mercado americano a primeira picape criada no então recém-inaugurado “Art and Colour Department”, o centro de design da General Motors, chefiado pelo genial Harley Earl (primeiro executivo de design da empresa e um dos “pais” do Corvette). A principal característica da nova picape era o visual, que começava a ganhar estilo próprio para se diferenciar dos carros de passeio. Os utilitários passaram a ter altura menor e carroceria mais longa, enquanto a aparência era marcada pela grade diferenciada e pelos grandes para-lamas.


Um modelo particularmente especial para os brasileiros surgiu nos Estados Unidos em 1947, a 3100 Series. Com visual inovador para a época, a picape causou grande impacto com sua grade dianteira horizontal bem dimensionada e cinco barras cromadas. O desenho fez tanto sucesso que acabou se tornando uma espécie de “marca registrada” das picapes Chevrolet desde então. A carroceria mais aerodinâmica contrastava com a aparência robusta do veículo, realçada pelos faróis deslocados para as extremidades da dianteira. No Brasil, ela inaugurou a categoria “picape leve” do mercado, e mais tarde, entrou para a história como a primeira produzida na fábrica da GM do Brasil, em São Caetano do Sul, SP, já com o nome 3100 Brasil, ou simplesmente Chevrolet Brasil, como ficou conhecida. 


Outra picape Chevrolet que se tornou icônica para os brasileiros foi o modelo lançado em 1955, que apostou em um visual revolucionário para a época, no qual as linhas arredondadas deram lugar a um estilo mais retilíneo – mas igualmente generoso. O grande destaque, porém, eram os para-lamas traseiros, que “saltavam” da carroceria, conferindo um aspecto robusto e, ao mesmo tempo, elegante ao modelo. Por conta da beleza e das proporções da carroceria, os brasileiros logo apelidaram a nova picape de “Marta Rocha”, numa alusão à baiana candidata ao título de Miss Universo de 1954 – que não ganhou o título por, supostamente, ter medidas muito “generosas” para os padrões da época. 


No fim dos anos 1960, o visual rebuscado deu lugar a um estilo mais simples com o lançamento do modelo C10. A área envidraçada aumentou, melhorando a visibilidade, mas os detalhes estéticos tornaram-se discretos. A grade, por exemplo, ficou mais estreita, enquanto a caçamba ganhou dimensões maiores. No Brasil, um modelo com o mesmo nome e visual similar fez sucesso entre os anos 1960 e 1980.  


Em 1985 foi lançada a Série 10/20, linha de picapes que se notabilizou pelo estilo “parrudo”, com muitas linhas retas. A gama possuía duas versões: a “Série 10”, com capacidade para meia tonelada de carga e a “Série 20”, capaz de transportar até uma tonelada. Outro detalhe é que as versões eram identificadas de acordo com o combustível utilizado: A (etanol), C (gasolina) e D (diesel).


A S10 foi lançada no Brasil em 1995, baseada na homônima americana, e logo se tornou sucesso de vendas. Com visual moderno e aerodinâmico, inovou ao combinar resistência para o trabalho com ótimo nível de conforto. Ganhou versões com diversas opções de cabine, motorização e transmissão e em 2012 chegou à segunda geração, que segue à venda, inclusive com uma série especial que celebra os 100 anos de história das picapes Chevrolet.